segunda-feira, julho 24, 2006

As damas de ferro e os soldadinhos de chumbo


Um, dois, três, pelotão, marche. Sentido! Tremendo, os soldadinhos de chumbo batem continência para a dama-de-ferro que chega.
Altiva, prepotente, autoritária, a dama-de-ferro amedronta até o mais destemido soldado. Seu exército é formado por soldadinhos de chumbo, robozinhos, marionetes que ela manipula impiedosamente enquanto alimenta sua insaciável vaidade.
Ao contrário do que o leitor pode estar pensando, não estamos falando de um campo de concentração. Nosso cenário é uma entidade ligada ao Poder Judiciário, onde ocorre um crime terrível: o vampirismo, onde damas-de-ferro de costas-quentes sugam toda a energia vital dos simples mortais, que são obrigados a aturá-las para sustentarem suas famílias.
Para ganhar o pão nosso de cada dia, o simples mortal tem que perder a dignidade. É um pão suado, doído, que engasga, dá azia e custa muito caro.
Como se não bastasse a dama-de-ferro-mor, o exército dos soldadinhos de chumbo ainda tem que aturar as “damas-de-ferro auxiliares”. Juntas, elas tecem uma teia de vaidade e ignorância.
Esparramando terrorismo por onde passam, as damas-de-ferro são juízes implacáveis: condenam impiedosamente. Neste tribunal de horrores, o réu não tem direito a defesa, nem apelação e somente deve ficar inerte aguardando a promulgação da sua pena de morte, mesmo que não tenha cometido nenhum crime.
Piores que os Cavaleiros do Apocalipse, as damas-de-ferro cultuam a morte das idéias, e são contra qualquer tipo de manifestação do pensamento que não tenha partido delas mesmas.
Um dia, um destemido soldado ousou enfrentá-las e usou o armamento mais pesado que existe: suas idéias libertárias. Unidas, as damas-de-ferro conseguiram derrotar o soldado. Além de possuírem veneno letal, elas ainda pertenciam a famílias nobres, invencíveis na República do Nepotismo.
O soldado rebelde foi fuzilado, mas deixou a semente da liberdade plantada no batalhão. Todos continuam dizendo “amém” para as damas-de-ferro, porque precisam sustentar suas famílias, mesmo que isto lhes cause gastrite, insônia, depressão e enxaqueca. Mas agora os soldadinhos de chumbo já sabem que existe esperança e lutam para que seus filhos tenham um futuro melhor.
Quanto às damas-de-ferro, vão acabar seus dias enferrujadas com o próprio veneno da mediocridade e um dia hão de prestar contas das suas maldades no Tribunal Divino, onde sobrenome não tem importância e todos são iguais perante a Lei de Deus.

Um comentário:

Peterson disse...

Seu nome se chama "Coragem"! É aí onde está a verdadeira profecia... na denúncia.

Saudade de você... Beijos.