quinta-feira, janeiro 01, 2009

Fragmento




Registro aqui um fragmento do trabalho do polêmico (e bota polêmico nisso!!!!) jornalista português (do Porto) Miguel Sousa Tavares.
Que Miguel Tavares me perdoe, mas tomo a liberdade de deixar, aqui no meu humilde espaço, trechos de um dos seus textos, que mais gosto, que pode ser encontrado, na íntegra, no livro "Não te deixarei morrer David Crockett", editora Oficina do Livro/2004. Ele escreveu esse texto em homenagem à mãe, a grande poetisa portuguesa Sophia Mello Breyner Andresen, já falecida.


(...)Sabes, quem não acredita em Deus, acredita nestas coisas, que tem como evidentes. Acredita na eternidade das pedras e não na dos sentimentos; acredita na integridade da água, do vento, das estrelas. Eu acredito na continuidade das coisas que amamos, acredito que para sempre ouviremos o som da água no rio onde tantas vezes mergulhámos a cara, para sempre passaremos pela sombra da árvore onde tantas vezes parámos, para sempre seremos a brisa que entra e passeia pela casa, para sempre deslizaremos através do silêncio das noites quietas em que tantas vezes olhámos o céu e interrogámos o seu sentido. Nisto eu acredito: na veemência destas coisas sem princípio nem fim, na verdade dos sentimentos nunca traídos.

E a tua voz ouço-a agora, vinda de longe, como o som do mar imaginado dentro de um búzio. Vejo-te através da espuma quebrada na areia das praias, num mar de Setembro, com cheiro a algas e a iodo. E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas ilusões de que tudo podia ser meu pra sempre." (Miguel Sousa Tavares)

2 comentários:

Maria Madalena disse...

Zézé, Miguel Sousa Tavares se gostas assim tanto, eu envio-te embrulhadinho num pacote e de preferência sem repiradouros. A sua mãe foi uma grande escritora e uma mulher de luta, ele é uma atêntica aberração, uma vez que nos artigos de opinião que escreve, assim como nas intervenções de comentador político televisivo, fala de forma grosseira, rude e desprezível sobre assuntos dos quais não tem o menor conhecimento, é uma pessoa extremamente arrogante e inculta sobre muitos dos aspectos sócio-políticos do nosso país, como escritor, eu como muitos portugueses fizemos um boicote completo à compra das suas obras, nomeadamente a sua última, "Equador" que já está disponível na net, para quem a queira ler, sem a comprar.

Isabel disse...

Zezé, foi bom ler este seu texto sobre Miguel Sousa Tavares e, também, foi ótimo ver que a Madá ainda está viva pois não tenho notícias dela há muito tempo.
Voltando ao escritor, concordo em parte com a Madá no que diz respeito a certas posições públicas que ele tem tomado e com as quais não concordo. Parece-me ser uma pessoa bastante difícil no trato. Mas temos de separar a pessoa da obra que cria; há vários outros exemplos do que estou agora a dizer.
A sua obra compreende:

Equador
Anos Perdidos
Não te Deixarei Morrer, David
Crockett
Sul – Viagens
Sahara – A república da areia
O Segredo do Rio
Um Nómada no Oásis
O Dia dos Prodígios
Rio das Flores

Destes, só li "Não te deixarei morrer David Crockett"e "Equador".
Quanto a este último, li num blog que "Miguel Sousa Tavares está a ser acusado por um blogger de plágio, alegando que o jornalista copiou parágrafos inteiros do livro «Cette Nuit la Liberté» de Dominique Lapierre e Larry Collins, nesta sua obra, que é um dos maiores sucessos de vendas em Portugal" (o que ele não comenta). Em resposta, um outro opinou "Não entendo como é que Miguel Sousa Tavares diz que processa tudo e todos quando as pessoas têm direito a uma Opinião. E esse Sr. pode dizer barbaridades como as que diz dos professores. Com a agravante de falar sem conhecimento de causa. “Quem não quer ser lobo que não vista a pele”…. Acho-o a Arrogância em pessoa."
Enfim, cada um tem direito à sua opinião!